Ler um livro pela primeira vez pode ser surpreendente, mas na segunda vez é revelador. Os detalhes, que na primeira leitura ficaram esquecidos, voltam, consegue-se analisar melhor os personagens e nós não somos mais os mesmos também.

Quando relemos algo, que há muito tempo foi lido, percebemos como muda a nossa interpretação, isso em boa parte porque passamos por novas experiências, algumas boas outras traumáticas, aprendemos mais sobre o assunto lido, sabemos mais sobre o autor. São muitas coisas que alteram a nossa percepção na segunda leitura.

Relendo O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry, o livro tem outro sentido. Quando ganhei, aos 15 anos, entendi as metáforas e me identificava, mas agora depois de alguns anos passados assimilei melhor e de  forma diferente a obra. Na primeira leitura eu entendi, mas agora compreendo.

As metáforas do livro são críticas válidas à nossa forma de amadurecer. Nos tornamos vaidosos, gananciosos, atarefados, autoritários e frustrados em alguns momentos. Um trecho que marcou, foi o cuidado que o principezinho tinha com a flor, mas ela era narcisista demais para ser grata pelo afeto, a maneira como ele foi maduro consigo e a flor, fez pensar nos relacionamentos atuais. Já indico O Pequeno Príncipe, principalmente para os adultos.

Toda essa releitura me faz pensar: O que será que estou perdendo dos outros livros que li? Vou deixar essa dúvida com vocês também. Boa segunda leitura.

#ParaTodosVerem: A foto mostra a capa do livro O Pequeno Príncipe e ao fundo um vaso azul, com algumas folhas aparecendo.