O São Paulo Fashion Week esse ano realmente trouxe tendência ao mundo da moda, foram instituídas as cotas raciais nos desfiles.

Os estilistas/marcas deverão ter metade do elenco de negros, afrodescendentes, indígenas e/ou asiáticos. Um exemplo para ficar mais claro: se uma marca tiver 10 modelos, 5 terão que ser negros, afrodescendentes, indígenas ou asiáticos. E a marca/ estilista que não cumprir essa exigência não entrará mais no line-up do SPFW.

Fila final do desfile de Isaac Silva, no SPFW n48 (Foto: Divulgação)

Fila final do desfile de Isaac Silva, no SPFW n48 (Foto: Divulgação)

Essa medida é inédita no mundo da moda e justamente no ano em que o SPFW completa 25 anos. É a 1° semana de moda do mundo a ter um código racial. As cotas trazem mais equidade racial, em um ambiente que por muito tempo criou e reafirmou os padrões de beleza que não representam nossa identidade aqui no Brasil.

Essa decisão foi tomada depois de discussões com os responsáveis do evento e com participantes do movimento Pretos na Moda. Esse coletivo tem como objetivo questionar a participação negra no mundo da moda e surtiu efeito dessa vez, com uma mudança eficaz no SPFW.

Paulo Borges, idealizador da São Paulo Fashion Week, em retrato de abril de 2019 - Fotosite/Divulgação

Paulo Borges, idealizador da São Paulo Fashion Week, em retrato de abril de 2019 – Fotosite/Divulgação

O diretor do desfile, Paulo Borges, fala que: “Não estamos aqui para julgar ninguém e não queremos forçar mudanças. Mas é claro que as marcas que não queiram compartilhar dessas discussões sairão do calendário. Chegamos ao ponto de deixar de criar frases e passamos a partir para a ação”. Essa última fala dele é forte, sempre falamos e discutimos sobre mais representatividade e diversidade, mas nem sempre medidas concretas são tomadas e nesse caso ele realmente colocou em prática.

Essa medida é um marco importante para o Brasil, um país onde o racismo se camufla na nossa cordialidade e se adapta às nossas estruturas sociais.

Dar oportunidade a modelos que não sejam brancos é uma forma de valorizar outras etnias e dizer a elas que podem sonhar com uma carreira no mundo da moda.

Essa medida também valoriza o trabalho de maquiadores, cabelereiros, stylists, fotógrafos que são negros e incentiva profissionais brancos dessas áreas a estudarem e aprenderem a trabalhar com todos os tipos de pele, cabelo, luz que valorizem os múltiplos corpos.

Como disse no início, esse ano o SPFW trouxe uma tendência e espero que outras semanas de moda deixem de só falar e comecem também a fazer.