Já não é estranho mencionar que o Brasil presenciou, nas últimas semanas, manifestações que deram início à greve dos caminhoneiros. Porém, o diferencial dessa mobilização, foi a influência de um dos principais meios de comunicação utilizados no país: o Whatsapp.

Segundo depoimentos de caminhoneiros, disponíveis no site da BBC Brasil, o aplicativo facilitou a comunicação entre eles. Além de que, ao mesmo tempo em que percorrem as estradas, os caminhoneiros acabam conhecendo uns aos outros, de modo que trocam os próprios números de celular e se inserem nos diversos grupos de Whatsapp, distribuindo assim, as informações.

Fonte: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/05/24/album/1527180891_038789.html#foto_gal_12

Fonte: El País

Outras influências provocadas pelo meio de comunicação foi a difusão das mensagens, uma vez que as informações vão propagando para outros celulares, dificultando a noção da fonte original da mensagem. Desse modo, dentro da mobilização, dificilmente há uma liderança.

Ainda, uma pesquisa feita pelo Instituto Ipsos, o Whatsapp foi a principal fonte de informação da greve. Segundo entrevistas feitas pelo instituto, dos aproximadamente 1,2 mil caminhoneiros, 45% souberam da greve via o aplicativo.

Fonte: BBC Brasil

Fonte: BBC Brasil

Contudo, um dos desafios não só para os caminhoneiros, mas para todos os brasileiros, perante a essa influência digital durante a greve, foi lidar com as notícias falsas. Algumas imagens, mensagens e áudios foram disseminados nos diversos grupos de Whatsapp, os quais repassaram a mesma informação para as conversas privadas dentro do aplicativo, sem saber que eram falsas ou desatualizadas. Mensagens como a ocupação de manifestantes em Brasília e uma nova greve após os 10 dias de mobilização são tomados como exemplos.

Dessa forma, é possível enxergar a influência dos meios de comunicação nos inúmeros acontecimentos não só em nosso país, mas mundialmente. A realidade está se tornando cada vez mais digital, uma vez que os conflitos mundiais, em sua maioria, se originam dentro das redes, do ciberespaço. Assim, o Comunica promove um pensamento crítico: Até que ponto essa influência digital nos alcançará?