O Teste de Bechdel, que classifica filmes por gênero, pretende promover maior inclusão de mulheres no campo audiovisual, tanto na parte de atuação quanto na de produção. O modelo tem por inspiração uma história em quadrinhos escrita pela norte-americana Alison Bechdel em 1985,  na qual uma personagem feminina comenta que apenas assiste filmes que cumprem algumas regras, como: deve ter pelo menos duas mulheres,  em que ambas conversam entre si sobre algo que não remeta a homens. A cartunista, além disso,  tinha como base, na época, a obra “Um Teto Todo Seu” de Virgina Woolf que destaca as percepções da presença e do papel da mulher na literatura.

comunica-feminismo

A ideia de se utilizar o teste seguindo critérios semelhantes à tirinha foi da diretora sueca  Ellen Tejle que, em 2013, decidiu selecionar em seu cinema filmes que atendiam a esse enquadramento, os quais receberiam o selo A-rate. A utilização dos mesmos critérios base, dessa maneira, seleciona produções audiovisuais em que a representatividade da mulher seja maior, mas o modelo não se restringe apenas às telas do cinema e mostra que pode e deve se aplicar a outras mídias. Um desses ajustes que pode ser verificado em filmes, por exemplo, é o tempo de interação ou diálogo entre mulheres deve durar no mínimo um minuto e ambas serem identificadas. O alcance do Selo de Bechdel, ainda  que não total, promove uma resistência à discriminação de gênero tão presente e hostil no mercado cinematográfico.

Ellen Tejle em visita ao Brasil discute sobre igualdade de gênero. Fonte: Canal do Instituto Querô,

Ellen Tejle em visita ao Brasil discute sobre igualdade de gênero. Fonte: Canal do Instituto Querô,

 No o Brasil, o primeiro a aplicar uma avaliação desse tipo na América Latina, muitos filmes já passaram nos critérios, como o filme “As duas Irenes” . Na trama, uma menina de família tradicional do interior que descobre ter uma irmã de mesmo nome e idade, porém fruto de um caso de seu pai . Assista o trailer do filme que separamos para você:

Alguns dos outros filmes já validados no país pelos critérios do teste em parceria com a Mulheres do Audivisual Brasil são: “Baronesa” de Juliana Antunes, “Aquarius” de  Kleber Mendonça, “Que horas ela volta?” de Anna Muylaert e muito mais que você pode conferir na página oficial clicando aqui.