E que vença a melhor mulher. Essa é a frase emblemática de RuPaul’s Drag Race, um reality show que reúne drag queens numa competição além da beleza. Disputam pelo título de “America’s Next Drag Superstar” (Próxima Super Estrela Drag da América) em que também conta o carisma, talento, originalidade, atuação e outros atributos das queens. O programa está no ar desde 2009 e algumas temporadas foram disponibilizadas, no Brasil, pela Netflix em 2013. Quem apresenta o reality é a drag queen RuPaul, famosa e conhecida desde 1990, já lançou diversos álbuns e participou de programas de televisão, séries e filmes. O programa tem grande importância ao mostrar a cultura drag e também discutir questões LGBTI+, se construindo como um espaço de diversidade e representatividade.

Ontem (17), no evento do Emmy Awards, prestigioso prêmio atribuído aos programas e profissionais de televisão, RuPaul declarou que ouviu rumores sobre a versão brasileira da Drag Race, mas que não sabia de onde vinham. Em resposta a drag, o site Meio e Mensagem, que desde o mês de agosto já vinha trazendo notícias sobre essa versão, se pronunciou. O site trouxe que a Endemol Shine Brasil, conhecida por criar, produzir e distribuir conteúdo multiplataforma, garantiu que possui contrato para comercializar e produzir a versão brasileira da Drag Race.

Essa versão é uma boa oportunidade para gerar conteúdo de qualidade sobre o mundo drag, como afirmou Eduardo Gaspar, diretor criativo da Endemol. Levando em consideração também as diversas drag queens que têm ganhado espaço e fama no cenário nacional, como Pablo Vittar, Gloria Groove e Aretuza Love. Estão ansiosos para ver nossas queens numa Drag Race?

Foto: Divulgação