Você sabia que hoje, 17/08, é dia Nacional do Patrimônio Histórico? Essa data foi escolhida por ser o dia em que o historiador e jornalista Rodrigo Melo Franco de Andrade nasceu. Com seu espírito incansável, ele foi o primeiro presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), onde trabalhou até o fim da vida.

Por que essa data é importante? Por que o IPHAN é o instituto que tem a responsabilidade de promover o processo de preservação de bens culturais do país, visando a garantia do direito à memória e fortalecimento de identidades culturais do Brasil.

O instituto, ao longo do seu árduo trabalho, já tombou mais de 45 mil bens imóveis, inseridos em 86 conjuntos urbanos tombados.

O Museu Nacional de Belas Artes, o Museu Imperial, o Museu Histórico Nacional, o Museu da República, o Museu da Inconfidência, o Paço Imperial, a Cinemateca Brasileira e o Sítio Roberto Burle Marx são algumas das principais instituições sob a responsabilidade do IPHAN.

Sob a proteção do Iphan existem  também 38 bens culturais imateriais registrados. O Brasil tem ainda 25 bens na Lista do Patrimônio Mundial reconhecidos pela Unesco, sendo cinco imateriais e 20 culturais e naturais.

Sobre a região Sul, o IPHAN diz: “Um grande território do Brasil onde estão verdadeiros museus a céu aberto, onde as obras de arte se expõem aos olhos de todos, ao longo das ruas em pequenas e acolhedoras cidades erguidas entre as montanhas ou junto ao mar e emolduradas pela vegetação da Mata Atlântica. Em mais de duas dezenas de cidades, destacam-se as edificações construídas a partir do século XVI em pequenas povoações fundadas pelos padres jesuítas, vilas transformadas em importantes núcleos urbanos enriquecidos com a mineração de ouro e diamantes, e muitas localidades que concentravam o comércio de café e outros produtos agrícolas brasileiros.”

Antonina, Lapa, Paranaguá, são algumas das cidades do Paraná que contêm patrimônios históricos tombados.