“Afluências: conexões humanas em correntes texto-visuais”, é a exposição das fotografias colorizadas manualmente de Luana Colosio e textos de Ana Favorin, que nos convidam a participar desta conexão humana e artística. Ligadas por fitas azuis – representando a liquidez humana e ao mesmo tempo um turbilhão de conexões – as fotografias e os textos se complementam, proporcionando uma experiência única.

As fotografias são conectadas aos textos por fitas. Foto: Camila Mocki

As fotografias são conectadas aos textos por fitas. Foto: Camila Mocki

A parceria entre Ana e Luana começou quando as duas se conheceram no ensino médio, e desde então perceberam que compartilhavam o amor pela arte. Em entrevista ao Comunica, Luana disse que sempre tiveram vontade de montar uma exposição, mas foi só neste ano que o projeto saiu do papel. Pensando sobre as conexões interpessoais e sobre como o ser humano se conecta com a arte, as artistas criaram a exposição “Afluências”, utilizando a água como simbologia para todas essas conexões que nos permeiam, fazendo ainda uma menção às efemeridades e fluidez humana.

“Eu sou apaixonada por arte, se não existisse, eu preferia nem existir também.” – Luana Colosio

Para a montagem da exposição, e para encontrar as conexões entre as obras, Luana afirma que deixaram expostos alguns trabalhos, suas fotografias e os textos de Ana, e pensaram juntas as relações entre suas criações. Algumas foram construídas especialmente para a exposição, porém, a intenção das meninas era fazer ligação entre as obras que elas já haviam produzido.

Uma das fotografias de Luana encontradas na exposição.

Uma das fotografias de Luana encontradas na exposição.

Poema de Ana, que está conectado à foto acima. De acordo com Luana, um complementa o significado do outro.

Poema de Ana, que está conectado à foto acima. De acordo com Luana, um complementa o significado do outro.

A intenção das artistas é provocar nas pessoas, com as obras, uma reflexão sobre as ligações humanas e suas próprias interligações, através das conexões artísticas propostas. A exposição conta com um espaço para o público deixar uma “partilha”, colaborando com o conceito de conexão, mostrando, assim, as ligações que tiveram com as obras.

Foto: Camila Mocki

Foto: Camila Mocki.

“Porque as almas se conversam e se convergem. Isso é o encontro.”, relato deixado por Célia R. Watanabe.

Além do elo entre as imagens fotográficas e os textos, a exposição conta ainda com a arte musical para deixar ainda mais completa essa interpretação de conexões artísticas. O título das fotografias são títulos de músicas, e estas foram disponibilizadas em uma playlist na página do evento no facebook. As artistas pediram para que quem fosse à exposição, levasse fones de ouvido, para poderem desfrutar dessa experiência conectiva entre imagem, som e texto.

A exposição acontece na galeria de artes do shopping Avenida Center em Maringá. Teve seu início em 9 de junho, indo até o dia 26 do mesmo mês. Para mais informações acesse o evento no facebook da exposição.

FONTES:

http://www.maringa.com/eventos/6785/EXPOSICAO+%93Afluencias%94